Alcóolicos Anônimos - Bahia - Área 26

Sobre o A.A.

FAQ - Perguntas, Mitos e Objeções frequentes

Eu sou um alcoólico?
Se você repetidamente bebe mais do que tenciona ou quer, se você se mete em apuros, se você tem lapsos de memória quando bebe, você pode ser um alcoólico. Somente você pode decidir. Ninguém em A.A. dirá se você é ou não.

O que posso fazer se estou preocupado com a minha maneira de beber?
Peça ajuda. Alcoólicos Anônimos pode ajudar.

O que é Alcoólicos Anônimos?
Somos uma Irmandade de homens e mulheres que perdemos a capacidade para controlar nossa maneira de beber e encontramo-nos com aborrecimentos de vários tipos como resultado da bebida. Tentamos – a maioria de nós com sucesso – criar um meio satisfatório de vida sem o álcool. Por isso descobrimos que precisamos da ajuda e apoio de outros alcoólicos em A.A.

Se eu for a uma reunião de A.A., isto me obriga a qualquer coisa?
Não. A.A. não mantém depoimentos de membros nem registros de freqüência. Você não tem que revelar qualquer coisa acerca de si mesmo. Ninguém o incomodará se você não quiser voltar.

O que acontece se eu encontrar pessoas que conheço em A.A.?
Elas estarão lá pela mesma razão que você. Não desvendarão a sua identidade a estranhos. Em A.A. você mantém o anonimato quanto você quiser. Esta é uma das razões porque nos chamamos Alcoólicos Anônimos.

O que acontece numa reunião de A.A.?
Uma reunião de A.A. pode ser feita de diversas formas, mas em qualquer reunião você encontrará alcoólicos falando sobre o que a bebida fez em suas vidas e personalidades, quais as atitudes que tomaram para ajudar a si mesmos e como estão vivendo hoje.

Como isto pode me ajudar no meu problema com a bebida?
Nós em A.A. sabemos o que é ser dependente do álcool e ser incapaz de manter promessas feitas aos outros e a nós mesmos de que iremos parar de beber. Não somos terapeutas profissionais. Nossa única qualificação para ajudar os outros a se recuperar do alcoolismo é que nós mesmos paramos de beber, mas os bebedores-problema vindos a nós sabem que a recuperação é possível porque vêem pessoas que fizeram isso.

Por que os AAs continuam indo às reuniões depois que estão "curados"?
Nós em A.A. acreditamos que não há cura para o alcoolismo. Jamais poderemos voltar a beber normalmente e nossa capacidade de ficar longe do álcool depende de mantermos a nossa saúde física, mental e es/piritual. Isto podemos conseguir indo regularmente às reuniões e pondo em prática o que lá aprendemos. Além do mais, achamos que ajudarmos outros alcoólicos nos ajudará a mantermo-nos sóbrios.

Como ingresso em A.A.?
Você é um membro de A.A. se e quando assim você o disser. O único requisito para ser membro de A.A. é o desejo de parar de beber, e muitos de nós éramos convictos o suficiente quando pela primeira vez nos aproximamos de A.A.

Quanto custa para ser membro de A.A.?
Não há taxas nem mensalidades para ser membro de A.A. Um Grupo de A.A. geralmente faz uma coleta durante a reunião para cobrir as despesas, tais como aluguel, café etc., e para isto todos os membros são livres para contribuir, com mais ou com menos, como eles quiserem.

A.A. é uma organização religiosa?
Não. Nem está ligado a qualquer organização religiosa.

Lá se fala muito de Deus, não é?
A maioria dos membros de A.A. acredita que encontrou a solução para o problema de bebida, não através da força de vontade individual, mas através de um Poder Maior do que nós mesmos. Todavia, cada um define este poder como desejar. Muitas pessoas chamam-No de Deus, outras pensam que Ele é o Grupo de A.A., ainda outras não acreditam nEle absolutamente. Há espaço em A.A. para pessoas de todos os credos e também para os descrentes.

Posso levar minha família a uma reunião de A.A.?
Membros familiares ou amigos íntimos são bem-vindos às reuniões "abertas" de A.A. Informe-se com o seu contato local.

Que sugestão você dá a novos membros?
Em nossa experiência, as pessoas que se recuperam em A.A. são aquelas que:
a) evitam o primeiro gole;
b) assistem regularmente às reuniões de A.A.;
c) procuram as pessoas em A.A. que têm-se mantido sóbrias com sucesso por algum tempo;
d) tentam pôr em prática o programa de recuperação de A.A.

Como posso entrar em contato com A.A.?
Consulte por gentileza a lista telefônica para obter o número do telefone de Alcoólicos Anônimos.
A literatura acerca do programa de A.A., bem como as orientações específicas para se entrar em contacto com um Grupo de A.A. local, podem ser obtidas através das Centrais ou Escritórios de Serviços locais de A.A. da região ou através da Internet no caso de Grupos e Escritórios no Estado de São Paulo

Mitos e verdades a respeito do álcool e de A.A.

Mito: Não presto para nada, não tenho força de vontade, por isso eu bebo.
Verdade: O alcoolismo é uma doença, não fraqueza moral. Como muitas outras doenças – por exemplo, do coração, diabetes e câncer – , pode acometer qualquer pessoa. A doença do alcoolismo não pode ser curada, apenas pode ser detida. Não tomamos medicamentos para detê-la. Em vez disso freqüentamos reuniões de A.A.

Mito: Sei que tenho problema, mas posso resolvê-lo.
Verdade: O alcoolismo é uma doença progressiva. Se um alcoólico continua a beber, vai ficando pior progressivamente.

Mito: Mas posso beber e nada acontece.
Verdade: Todos nós podemos, algumas vezes, tomar um aperitivo apenas e não voltar a beber naquela noite ou no dia seguinte. Porém, mais cedo ou mais tarde, depois de uma semana, um mês ou um ano, se formos portadores dessa doença, beberemos outra vez em excesso. O esforço que fazemos sozinhos de controlar a maneira de beber já é sinal de que alguma coisa está errada.

Mito: Não posso ser alcoólico porque não consigo beber bastante. Eu passo mal.

Verdade: Conhecemos algumas histórias a respeito de jovens que continuaram a beber, mesmo sob protesto de seus estômagos. Eles se tornaram alcoólicos.

Mito: Não posso ser alcoólico porque consigo beber bastante e nunca passo mal.
Verdade: Conhecemos algumas histórias de jovens que tinham grande capacidade para o álcool. Eles também se tornaram alcoólicos.

Mito: Se a festa foi realmente um sucesso, é natural, então, que ninguém se lembre dela.
Verdade: A maioria das pessoas não tem "brancos" em sua memória quando bebe. Esses "brancos" que ocorrem quando andamos, falamos e agimos normalmente e que não nos lembramos depois são chamados de "apagamentos". Eles não são normais e podem indicar sintoma de alcoolismo.

Mito: A.A. é para bêbados e pessoas de idade.
Verdade: A doença do alcoolismo ataca pessoas de todas as idades, raças, credos e situações financeiras. A maioria dos alcoólicos é da classe mais representativa da sociedade.

Mito: A.A. ensina que você deve abandonar a bebida para o resto de sua vida.
Verdade: Em A.A. não prometemos deixar de beber para sempre. Não prometemos abstinência por seis meses. Não fazemos promessas por um ano. Apenas ficamos longe do primeiro gole – e do próximo – apenas um dia de cada vez. Só por hoje não vamos beber. Amanhã, quem sabe?

Mito: A.A. tem regulamentos e regras, pessoas me dizendo o que fazer. Nunca ninguém vai me dizer o que eu devo fazer. Deixa isso para lá.
Verdade: Para fazer parte de A.A. tudo o que precisamos fazer é tomar a decisão de sermos membros. Sem preenchimento de fichas, sem pagamento de taxas: "O único requisito para ser membro de A.A. é o desejo de abandonar a bebida". Em A.A. você não é obrigado a nada. As sugestões de como permanecer sóbrios são dadas por pessoas baseadas em suas próprias experiências. Essas sugestões são roteiros mostrando como caminhar para uma nova vida.

Mito: A.A. é uma organização religiosa.
Verdade: Alguns de nós em A.A. têm fé inabalável; outros não têm nenhuma; muitos ainda a estão procurando. Todos nós, no entanto, sentimos que nossa maneira de viver não tinha sentido.

Mito: Os membros de A.A. desejam beber a todo instante. São infelizes e rabugentos.
Verdade: Muitos de nós descobrimos que é muito bom viver sem beber. E descobrimos, depois algum tempo, que podemos rir e ter alegria. Finalmente, encontramos pessoas que nos compreendem.

Algumas objeções comuns a respeito de A.A.

É demasiado religioso.
Na realidade, A.A. não é um programa religioso, mas uma irmandade espiritual. Ele se refere a um "Poder Superior" e "Deus na forma em que O concebemos", mas a crença em Deus não é obrigatória. Ateístas e agnósticos encontram bastante companhia em A.A. Como está expresso no Preâmbulo de A.A.: "A.A. não está ligado a nenhuma seita ou religião, a nenhum partido político, nenhuma organização ou instituição;."

Eu não quero me levantar e revelar meus sentimentos diante de muitas pessoas.
Nas reuniões de A.A., somente falam os que desejam falar.

Não quero misturar-me com um bando de fracassados. É muito deprimente.
A.A. representa, mais precisamente, uma grande variedade de "afortunados" no sentido de que sobreviveram à doença. Aqueles que assistem a bastante reuniões, com certeza encontrarão pessoas com quem podem se identificar.

Não posso ir lá. Todas aquelas pessoas estão sóbrias e eu não estou. Ficaria muito envergonhado.
O único requisito para se tornar membro de A.A. é o desejo de parar de beber. Os membros que ainda bebem são encorajados a "continuar vindo". Qualquer pessoa que tenha o desejo de parar de beber é sinceramente bem-vinda às reuniões de A.A. Os alcoólicos sóbrios não vão julgar alguém que não consegue parar de beber, uma vez que o fato de não ser capaz de parar de beber foi o que os trouxe a Alcoólicos Anônimos.

Não quero que todo mundo conheça meu problema com a bebida.
O anonimato é e sempre foi a base do programa de A.A. Tradicionalmente os AAs nunca revelam à imprensa, rádio e televisão ou qualquer outro meio de informação pública sua ligação com a Irmandade. Ninguém tem o direito de quebrar o anonimato de outro membro, em qualquer situação.

Anonimato pessoal

Após contar aos meus entes queridos sobre meu ingresso em A.A., devo pedir-lhes que não comentem isso com mais ninguém?
Essa é uma questão inteiramente pessoal, mas normalmente é melhor para todos deixar que o membro de A.A. decida a quem e quando contar sobre seu ingresso.

Se minha família, amigos e colegas de trabalho comentarem que estou com melhor aparência e disposição depois que fiquei sóbrio, devo contar-lhes que stou em A.A.?
Os parentes mais próximos e os amigos íntimos geralmente ficam felizes ao saber do ingresso de um ente querido em A.A. Quanto aos colegas de trabalho, talvez seja melhor simplesmente dizer que você deixou de beber e adiar a decisão de abrir seu anonimato até que você tenha vários meses de Irmandade.

Se eu encontrar pessoas conhecidas em reuniões de A.A., o que devo fazer?
Não há necessidade de pedir-lhes que preservem seu anonimato. Vocês estão ali pelas mesmas razões (ou por razões parecidas). Geralmente eles respeitarão sua privacidade e você, por sua vez, deve respeitar a deles.

O que devo fazer se encontrar pessoas famosas numa reunião?
Como qualquer outra pessoa, também as pessoas famosas devem ter seu anonimato preservado.

Sei que não devo revelar nomes de pessoas que conheci em reuniões de A.A. Mas como fazer a respeito de outras informações pessoais?
Entende-se que as revelações pessoais feitas em reuniões de A.A. devam ser consideradas sigilosas. Por exemplo, se amigos fora do programa conhecem alguns dos seus companheiros de A.A., você deve ter o cuidado de não revelar confidências feitas por eles durante as reuniões, por mais inofensivas que elas possam lhe parecer.

Devo mencionar minha afiliação a A.A. a pessoas que aparentam ter problemas com a bebida?
Esta é uma questão pessoal. Entretanto, o espírito do programa é compartilhar, e um estudo recente com membros de A.A. mostra que um grande número deles juntou-se à Irmandade por intermédio de outro membro. Antes de tomar uma decisão sobre esse assunto, muitos membros acham útil discuti-lo com seus padrinhos ou amigos de A.A.

Devo abrir meu anonimato com meu chefe para que possa sair mais cedo a fim de participar regularmente das reuniões de A.A.?

Solicitar favores especiais pelo fato de fazer parte de A.A. não faz parte do espírito das Tradições de anonimato.

Anonimato na imprensa

Se, como membro de A.A., eu aparecer na televisão, ou num filme, ou se permitir que minha foto seja usada num jornal ou numa revista, mesmo sem fornecer meu nome completo, isso é considerado quebra de anonimato?
Sim. Se forem publicadas ou divulgadas fotografias facilmente identificáveis de membros de A.A. (descritos na matéria como membros de A.A.), mesmo que seus nomes completos não sejam fornecidos, isso é considerado uma quebra de anonimato.

Tenho ouvido muita gente, dentro e fora de A.A., dizer que membros famosos de A.A. deveriam ser estimulados a revelar sua condição de membros, para ajudar a promover a Irmandade. Por que A.A. continua mantendo a Tradição do anonimato para celebridades e outros membros?
Essas Tradições foram o fruto da experiência de nossos primeiros companheiros. No início também eles acreditavam que os membros conhecidos de A.A. poderiam ajudar a Irmandade abrindo seu anonimato. Mas logo ficou claro que, se um único membro abrisse seu anonimato, logo outros o seguiriam; e se membros passassem a buscar assim reconhecimento e poder, a unidade espiritual tão essencial ao trabalho de ajudar companheiros alcoólicos logo se perderia.

Os videoteipes de palestras e reuniões onde as pessoas são identificáveis e se apresentam como membros de A.A. também são considerados quebra de anonimato?
Em 1980, a Conferência de Serviços Gerais recomendou que: "... membros de A.A. que forem solicitados a gravar palestras ou reuniões preservem o anonimato na imprensa, rádio, TV, filmes e videoteipes, compreendendo que o anonimato é o alicerce espiritual de todas as nossas Tradições". Alem disso, recomenda que palestras de companheiros, enquanto membros de A.A. sejam proferidas "pessoalmente, e não por meio de videoteipes, pois de outro modo pode haver a tentação de se colocar a personalidade acima de princípios," encorajando dessa forma o estrelismo em A.A.

Questão sobre A.A. e outras drogas.(extraído do JUNAAB informa)

O que são Drogas PSICOATIVAS ?
São as drogas que agem sobre a mente. Substâncias alteradoras do humor. Pílulas estimulantes que combatem a ressaca, sedativos que acalmam as tremedeiras ou disfarçam as depressões, bromuretos , xaropes e pílulas que ajudam a dormir, estimulam, reduzem as inibições ou fazem flutuar numa estranha nuvem de alegria extasiante.

O que significa Propensão à Dependência ?
Mesmo que, em termos farmacológicos, certa droga não provoque dependência, verificamos que podemos habituar-nos facilmente a ela e ficamos dependentes .É como se a propensão à dependência fosse um estado latente em nós e não uma propriedade da própria droga. Alguns de nós acreditamos haver nos tornado pessoas dependentes, e a experiência reforça bastante este conceito. Por isso fazemos todo o possível de evitar a maconha, cocaína, picadas, alucinógenos, tranquilizantes, estimulantes e até as pílulas e os remédios comuns com ação sobre o sistema nervoso central.

Alcoólicos Anônimos é contra as DROGAS?
Em geral, A.A. não assume uma posição legal ou moral contrária ou favorável a qualquer substância alteradora do humor. Cada membro tem o direito de ter sua opinião sobre o assunto e adotar as providências que achar melhor .

Uma pessoa que não é alcoólica, mas adicta a outras drogas, pode se tornar membro de A.A.?

Não.

De acordo com a nossa Terceira Tradição: "para ser membro de A.A. o único requisito é o desejo de parar de beber", e com a Quinta Tradição, "Cada Grupo é animado de um único propósito primordial - o de transmitir sua mensagem ao alcoólico que ainda sofre."

De acordo com as Tradições e pela longa experiência, os membros de A.A. perceberam que podem ser de pouca ajuda para usuários de outras drogas, pois não existe o mais Importante: a identificação.

A.A. não tem condições de transformar pessoas não-alcoólicas em alcoólicas. Fugindo de nossas Tradições, estaríamos em colapso e não ajudaríamos mais ninguém.

Uma pessoa que não é alcoólica, mas adicta a outras drogas, pode assistir uma reunião ABERTA de A.A.?

QUALQUER pessoa da Comunidade, com ou sem problemas, pode assistir às Reuniões abertas. Os membros de A.A. mais experientes vão encaminhar a pessoa com problemas para o lugar mais adequado para obtenção de ajuda: Narcóticos Anônimos, Neuróticos Anônimos, Grupos Familiares Al-Anon, Naranon, ou a um tratamento especializado.

Um usuário de drogas ou pílulas, que também tem uma história de alcoólismo genuíno, pode se tornar membro de A.A.?
Atualmente é muito difícil encontrar alcoólicos puros, e a maioria dos membros já usou ou experimentou outras drogas. Portanto, se a pessoa tem uma história de alcoolismo, junto com outros problemas, ela pode ser membro de A.A., desde que tenha o desejo de parar de beber, que é o único requisito para ser membro. (Terceira Tradição).

Membros de A.A. que tenham problemas com outras drogas podem formar "Grupos de Propósitos Especiais", para se "ajudarem e ajudar outros" com o mesmo problema?
SIM. Desde seu início A.A. tem criado Grupos de Propósitos Especiais, a começar pela JUNAAB, que é um Grupo formado por Alcoólicos e não Alcoólicos para se devotar a uma tarefa especial. Existem Grupos especiais para mulheres, para homens, para homossexuais, para jovens, para médicos, para advogados, para fazer retiros, enfim para qualquer finalidade que a Consciência Coletiva achar necessária. São formados pelas pessoas e tem prestado um trabalho muito importante e valioso.

Estes "Grupos de Propósitos Especiais" podem incluir adictos a outras Drogas?
Sim, desde que não os levem a achar que são membros de A.A. apenas porque participam destas reuniões.

Estes "Grupos de Propósitos Especiais" podem dizer que são Grupos de A.A.?
Não. Sempre que exista um "Duplo Propósito" não se pode dizer que são Grupos de A.A, nem usar o nome de A.A. em seu título. O propósito primordial de um Grupo de A.A. é "transmitir sua mensagem ao alcoólico que ainda sofre." (Quinta Tradição).

Existe alguma objeção a que Membros de A.A. que são cruzados participem de outras Irmandades, como Narcóticos Anônimos, Neuróticos Anônimos, Al-anon, Naranon, Amor Exigente , etc.?
Não existe nenhuma objeção, desde que sejam respeitadas as nossas Tradições de Anonimato (11ª e 12ª Tradições), e de Cooperação sem Afiliação. (6ª Tradição).
Em A.A., o Grupo tem limite estritos, mas o indivíduo praticamente não tem nenhum. Lembrando sempre das Tradições, o membro de A.A. pode transmitir a Mensagem de nossa Irmandade em qualquer área com problemas, neste mundo cheio de problemas.